39. EXPERIÊNCIAS VIVIDAS: DAF – DETEÇÃO ANALÍTICA DE FALHAS

Hoje estamos voltando muto no tempo, mais especificamente em julho de 1.982, bem na época do final da copa do mundo em Madri. Não assistimos esses jogos por estarmos confinados por 14 dias num hotel em Lindóia – SP.
Eram meus companheiros nesta jornada de um treinamento que mudou significativamente os rumos da empresa: Gilberto Alexandre – Manutenção Mecânica, Paulo Sergio Garcia – Recursos Humanos e Lauro Rubens Duarte Volaco – Montagem Mecânica.de Novos Projetos.
Tínhamos muitos problemas nas fábricas, com paradas nas máquinas e equipamentos de toda a natureza, custos elevados, falhas que se repetiam por não terem sido encontradas as causas raízes, montagens que sofriam paralizações por falta de planejamento adequado e detalhado. acidentes de trabalho e vários outros problemas. O pior, MUITOS DELES REPETITIVOS!
Decisão do nosso Diretor Presidente Luiz Vilar de Carvalho: preparar um TIME DE MULTIPLICADORES INTERNOS, para sermos treinados em: AP – Análise de Problema, APP – Análise de Problema Potencial, AS – Análise de Situação (priorização), AD – Análise de Decisão e ADO – Análise de Decisão Operacional.
Aprendemos a ser instrutores internos, desenvolvendo técnicas de uso da voz, movimentação, uso de flip chart, domínio da turma e todas as habilidades para a transmissão do conhecimento. Montamos o nosso próprio out line, que virou a nossa “bíblia” para darmos os treinamentos. Teoria e prática de cada módulo, até que todos estivessem dominando-o plenamente.
Enquanto a grande maioria dos brasileiros assistiam os jogos da Copa do Mundo, nós nos tornamos instrutores.
Para suportar a exigência mental, compensávamos com caminhadas nas madrugadas e antes do café da manhã, não almoçávamos ou jantávamos alguns dias para tomar sol e nadar, abstinência total, sem assistir os jogos da copa do mundo! Era um “regime militar”!
Vou só contar uma coisa engraçada, mas que nos deixou muto bravos. Quando fizemos a prestação de contas de nossas despesas, tudo foi pago pela empresa, absolutamente tudo, menos água tônica, suco de laranja e lavagem de roupa! Tivemos que nos financiar!
Se eu fosse contar os meandros desses treinamentos, daria quase um livro.
No retorno, passei por um check out com um dos instrutores presentes nos meus dois primeiros dias de aula da minha primeira turma. Quase desisti, com tantos pontos em que precisava corrigir pequenas falhas. Mas logo ao final do segundo dia, um enorme alívio. Quase nenhuma falha!
Treinamos todas as lideranças formais e informais da empresa, onde durante 5 dias, 8h por dia, fomos tornando nosso TIME IMBATÍVEL e essa fábrica, Cimento Rio Branco na época, pertencente à Votorantim Cimentos passou a ser a mais competitiva e a maior das 3 Américas. Assim permanece até os dias de hoje.
ooooo00000ooooo
Observação: Temos no IBC – Instituto Brasileiro para a Competitividade, mais de 140 treinamentos voltados para a COMPETITIVIDADE. Já atuamos desde o Rio Grande do Sul até o Rio Grande do Norte, em quase 60 ramos de atividades diferentes e 130 empresas diferentes. Não hesite em falar conosco: Volaco – whats 41.98814.8122.