48. EXPERIÊNCIAS VIVIDAS – CAMINHADA 46 Km DA CÉLULA DE APOIO – FÁBRICA ITAJAÍ – SC – VOTORANTIM CIMENTOS

Você tem ideia do que é caminhar 46km? A cada 60min, 10min de parada, mas depois da hidratação, fazíamos exercícios de musculação e alongamentos. E ainda, cada grupo de 4 pessoas, carregava uma bomba costal com 25kg de água, revezada em marcha, sem parar, a cada 15 minutos. Deve estar imaginando que esse grupo era de um destacamento de bombeiros se preparando para combater um incêndio florestal. Totalmente errado. Era a nossa Célula de Apoio (uma versão muito mais avançada de uma Brigada de Incêndio), pertencente à Fábrica de Cimento de Itajaí – SC – Votorantim Cimentos. Um grupo de voluntários de 20 pessoas, escolhidas a dedo e sem nenhum privilégio extra. Era um TIME da mais alta capacitação física e mental, treinada também em: primeiros socorros, combate a incêndio industrial, inflamável e florestal, rapel, plantão 48h em fim de semana no Corpo de Bombeiros, resgate simulado de acidentados, conservação de energia elétrica e água em escolas no entorno da fábrica, plantio de pomares e reflorestamentos, combate a erosão das margens do rio, limpeza da margem do Rio Itajaí Açu, …

Esse foi um treinamento de caminhada diferente, pois convidamos as esposas para participarem conosco deste evento:

  • Concentração e conhecimento do plano estratégico específico para elas.
  • Caminhada inicial da Fábrica seguindo por 2 km as passadas de marcha, junto com os maridos. Depois caminharam sozinhas por mais 3km, no ritmo delas.
  • Deslocamento do restante do percurso para Vidal Ramos, de micro ônibus.
  • Almoço beneficente numa congregação ao longo do percurso, junto com os maridos.
  • Jantar de confraternização com os maridos e autoridades locais (prefeito e vereadores) em Vidal Ramos.
  • Retorno de Vidal Ramos para Itajaí de micro ônibus.

Foram traçados previamente os objetivos dessa caminhada:

  • Bom relacionamento com a comunidade de Vidal Ramos onde se pretendia instalar uma nova fábrica de cimento (hoje é uma realidade).
  • Condicionamento físico.
  • Confraternização com as famílias.
  • Equilíbrio mental.
  • Liderança.
  • Superação de dificuldades.
  • Trabalho em equipe.
  • União do grupo.
  • Veículo de apoio com água, isotônico, material de primeiros socorros, atendimentos emergenciais e apoio temporário para os exaustos. A Patricia Rozanski era a nossa chefe desse importante recurso. Teve muito trabalho durante o trajeto.

Depois dos 11km iniciais, saindo da Fábrica de Itajaí, ao nível do mar, a retomada foi em Ribeirão do Ouro, em Botuverá, 85m acima do nível do mar. Imagine um dia de muito calor e aquela bomba costal com água que parecia ter saído do Ártico, de tão gelada, refrescando nossas costas. Nosso objetivo estava distante ainda 35km e a uma altitude de 320m. Isso implicava em subir uma serra, com estrada revestida de saibro, quando derrapávamos a cada passada, no esforço que se fazia para vencer a forte inclinação.

Minha esposa e eu ficamos em Itajaí, para um plantio de árvores num bosque entre a fábrica e o bairro de Salseiros, objetivando adensar a mata para não incomodar nossos vizinho. Fizemos isso com um grupo de grupo de escoteiros e bandeirantes, no período da manhã. Como era um grupo grande, pudemos plantar 500 mudas de árvores de médio porte mais perto da fábrica e as de grande porte, mais perto das casas da vila! Terminamos o evento com uma confraternização e um delicioso lanche com refrigerantes. Foi feito também uma avaliação dos pontos positivos e a melhorar.

Fomos então nos integrar ao TIME, para o almoço deliciosamente preparado pelas famílias daquele entorno da igreja. Aproveitamos para um bom descanso, recomposição de energias, massagem nas pernas e tratamento das bolhas dos pés.

Após o almoço, acompanhei o TIME caminhando nas mesmas condições deles, mas sem o preparo físico que eles tinham. Após uns 25km, comecei a entrar em exaustão. Não me deixaram ficar para trás. Mas eu já não tinha mais forças. “Convenci” o motorista do carro de apoio a me ceder a condução do veículo, “alegando” que ele também precisava estar em forma. Eu quase não tinha forças nas pernas, nem para dirigir.

Quando alguém do grupo de 4, estava totalmente exausto, ia de carona, mas por pouco tempo, pois os outros 3 continuavam a carregar a bomba costal, que nessa hora, já pesava no nosso imaginário, 100kg.

No último descanso de 10min, o Jose Vitor fez um chamamento para o TIME, e deixou bem claro, que deveriam chegar na cidade, impecáveis, como se estivéssemos iniciando a jornada e “sem cara de sofredor”. Parecia um milagre o garbo com que entraram na cidade, onde os moradores por onde passávamos, nos aplaudiam. Parecíamos heróis de guerra! E ainda teve uma queima de fogos, anunciando a chegada da nossa “tropa”!

O jantar foi simplesmente divino, feito com todo o carinho num clube da cidade. Foi muito interessante a metamorfose daquele TIME que não muito tempo atrás, pareciam que iam desmoronar de cansaço. Perto das esposas, se transfiguraram e parecia que haviam saído de casa, somente para o jantar. Um bando de exibidos que havia “ressuscitado”. Outro detalhe importante, foi o momento dos mini discursos pelas autoridades e representante do nosso TIME. Parecia “campanha eleitoral”! Foi um “marco” para a cidade, para nós e familiares.

Na viagem de retorno, o micro ônibus teve uma pane e foi necessário chamar outro para substituí-lo. Chegaram em Itajaí às 3h da manhã, para pegarem seus carros e irem passar o domingo em suas casas, felizes por terem o sentimento de “dever cumprido”!

Minha esposa e eu dormimos num Hotel e Confeitaria Tante Mila, pois o cansaço era enorme e não quisemos correr riscos comigo “esfarrapado”. Como presente, além de um sono dos anjos, tomamos um café colonial espetacular pela manhã, na cozinha extremamente aconchegante e com os donos do hotel.