28. EXPERIÊNCIAS VIVIDAS: VOLUNTARIADO FAMILIAR AMERICANO

Ontem falamos de voluntariado na prática. Hoje detalhamos um pouco mais, sobre a filosofia envolvida em nossa ação específica!

A ONG que tinha como propósito recuperar essa área totalmente degradada da cidade de Detroit – MI – USA, nos convidou para um segundo Clean Up Day (dia de limpeza) em nosso bairro, que era muito pobre. Eles gostaram muito da primeira experiência de parceria conosco. Viram que nós tínhamos aderido ao TIME deles, para fazer a diferença.

O interessante é que quando levei esse assunto para as nossas lideranças, nos pediram para que incluíssemos suas famílias, tendo como objetivo maior, um processo de mudança cultural, principalmente para seus filhos. Era a oportunidade que poderia ser única para eles!

Inicialmente, passou um frio pela minha espinha, pois o que aconteceria de algum familiar e principalmente uma criança, se acidentasse ou passasse mal durante a operação? Existia risco? É claro que sim, mas isso não poderia nos esmorecer. O que aconteceria comigo, que assumi esse risco?

Fizemos um Planejamento Estratégico bem detalhado, com uma Análise de Problemas Potenciais e ficamos seguros de que isso seria uma experiência fantástica e com riscos minimizados, pois as crianças permaneceriam o tempo todo perto de seus pais e realizando tarefas compatíveis com suas idades.

No dia do evento, preparamos um café da manhã excelente, completo, na sala da Gerência Geral e discutimos com todos, cada detalhe estimulando as crianças a opinarem, cada etapa de nosso plano que se encerraria às 11h, para que a exposição das famílias não fosse tão exaustiva. Entregamos também todos os EPIs necessários. Reforçamos muito o aspecto de cuidados, principalmente com as mãos e não fazerem esforços maiores. Para isso tinham os seus pais e as nossas máquinas e equipamentos.

Das 11 às 12h, fizemos um feedback com todos os participantes. Deu para sentir, principalmente nas crianças, o prazer de terem feito um trabalho como aquele. Impressionantes os depoimentos que ouvimos. Parecia que tínhamos limpado não uma parte de um bairro imundo, mas removido todos os entulhos do mundo!

Foi impagável, ver o brilho nos olhos de todos os que tinham dado o melhor de si, mesmo que num tempo curto, para tornar aquele ambiente desolador de nossa vizinhança, MUITO MELHOR.

A ONG, em sinal de gratidão, e sem nós termos pedido, pintou nosso muro externo em toda a extensão da área que havíamos atuado. Foi muito bom ter havido essa interação salutar. Um sentimento de dever cumprido.

Não podemos esquecer de “pensar globalmente e agir localmente”! Tem que pensar nas ações do mundo, mas agir nos pequenos atos. Assim deixaremos o mundo um pouco melhor!