Orquidário recupera área degradada

Na busca de notícias que foram publicadas no campo da responsabilidade social, revivemos um projeto muito gratificante e que deu uma contribuição tanto na preservação ambiental, como em treinamento e desenvolvimento de atitudes socialmente corretas.

Transformar uma antiga “pedreira” que foi utilizada para edificar a primeira fábrica de cimento da Votorantim e que ficou sem uso para quase duas décadas, foi um desafio que fortificou o espírito de equipe da Fábrica Santa Helena, localizada na cidade de Votorantim – SP.

O mentor intelectual deste projeto, Valdemir Antonio da Silva, um técnico mecânico de formação e um orquidófilo por amor, conseguiram transformar um sonho, em realidade.

Ontem à noite, dia 30/10/2008, tive a oportunidade de assistir na FESP, uma aula fantástica sobre “o segredo do empreendedor”, proferida pelo mestre Fernando Dolabela. Além do vastíssimo conhecimento sobre o assunto, foi uma aula completa de uma quantidade enorme de virtudes positivas que alguém pode acumular. Dentre as inúmeras lições sobre empreendedorismo, definiu este conceito da seguinte forma: o empreendedor deve ser visto como alguém que oferece valor positivo para a sociedade. “O empreendedorismo não deve ser encarado apenas como forma de enriquecimento pessoal. Ele deve ser direcionado para o desenvolvimento social, fazer com que as pessoas sejam incluídas e o País tenha mais condições de viver”.

Este pequeno projeto, que era um sonho para o Valdemir, contagiou uma equipe, que foi para Santos conhecer um orquidário modelar e servir como base inspiradora para ser implantado nesta pedreira abandonada. Com extrema dedicação, num trabalho altamente empreendedor e voluntário, trouxe inúmeras oportunidades de envolvimento e comprometimento com os demais colaboradores daquela unidade e especialmente, com a comunidade.

Reproduzimos um texto publicado na época, para dar a dimensão real do que era o pensamento durante o desenrolar do projeto:

A Votoran, umas das 21 unidades de produção de cimento do grupo Votorantim, construiu um orquidário em um espaço de quatro mil metros quadrados, rodeado por um paredão de rochas com 50 metros de altura, na área onde existiu uma pedreira de granito que serviu a empresa. O orquidário integra um projeto global – avaliado em R$ 300 mil – de recuperação de áreas degradadas, uma delas na serra de São Francisco, em Votorantim, na região de Sorocaba, onde está a sede da empresa.
Só no orquidário haverá a aplicação de R$ 40 mil, que serão utilizados na implantação e no cultivo de mudas de orquídeas, de bromélias e de outras plantas e flores a serem levadas para a reconstituição das espécies daquela região afetada. No futuro, o local poderá ser visitado pela população em geral e funcionará como um centro de pesquisa para os orquidófilos, estudantes e representantes de órgãos ambientais e preservação.
O gerente geral da fábrica, Lauro Volaco, afirma que a empresa investe no fortalecimento da imagem institucional com a iniciativa, mas que procura dar oportunidade não só de recuperação das áreas degradadas como também de pessoas. Vinte e cinco detentos do Presídio Danilo Pinheiro, de Sorocaba, participaram do projeto e receberam um salário mínimo por mês, café da manhã, almoço, transporte e cesta básica, esta entregue diretamente às famílias.
A Votoran gastou R$ 7 mil mensais apenas com os detentos. Três dias de trabalho significaram uma redução de um dia na pena de cada um. Além deles, trabalharam na implantação do orquidário e em parte dos outros itens do projeto alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), da escola do Parque Jataí e escoteiros de Votorantim.
O grupo de participantes e de orquidófilos que atuou catalogou 70 espécies de orquídeas e 15 de bromélias nativas, que comporão o acervo vivo do espaço, e também plantou um pomar à entrada do orquidário. O projeto completo só deverá estar concluído em três anos.
Além do orquidário, o programa prevê o plantio de cinco mil árvores na área da prainha, no interior da empresa. O local ganhou já três quiosques com churrasqueiras e lanchonete e a revitalização do campo de futebol. A idéia do projeto surgiu do técnico mecânico Valdemir Antônio Silva, orquidófilo que trabalha na Votoran há 23 anos, hoje no cargo de supervisor de manutenção.

Algumas fotos, podem dar uma melhor idéia daquilo que estamos falando, além de ser uma homenagem aos empreendedores deste projeto: Valdemir, Carlinhos, Nakamura, Orcelio, Jaime e todos aqueles que direta ou indiretamente tornaram este empreendimento uma realidade.

 

 

Autor: Lauro Rubens Duarte Volaco
Empresa: IBC – Instituto Brasileiro para a Competitividade