A tecnologia e as ferramentas de gestão na competição pelo futuro

Abril 25, 2017

Você olha para o amanhã e vê que ele estará desenhado com concorrentes mais fortes, produtos mais modernos, preços e estratégias mercadológicas mais agressivas e clientes mais exigentes e menos fiéis.

Então voce olha para dentro do seu negócio e vê seu pessoal arrumando a máquina que quebrou, o computador ou o sistema que não funcionou, contratando pessoal para repor bons funcionários perdidos, ou até pior, tratando um acidente de trabalho ou correndo atrás de clientes perdidos para a concorrência. Enfim, utilizando o talento para recompor valor para o seu negócio.

Sua empresa não é a única assim, mas não fique tranqüilo! Seus concorrentes já reconheceram esta realidade e movem-se rapidamente em direção aos novos estilos de gestão que os tornarão mais competitivos mais rápidos do que voce pode imaginar. Observe também que seus concorrentes não são apenas aqueles que produzem o mesmo que voce. A concorrência é pela renda. Por exemplo, o uso massivo do telefone celular para falar, brincar, tirar fotos, ouvir música, canalizou para este mercado uma significativa parcela da renda que antes estavam em outros mercados, talvez no seu mercado.

Para que a empresa seja um player forte, a competição pelo futuro deverá começar hoje. Aliando o uso da tecnologia, as práticas de gestão, o correto emprego do capital humano e a segmentação do mercado de atuação, o empresário tornará sua empresa forte na competição pelo futuro.

Tome como exemplo os dois maiores PIBs do mundo. Eles são fortemente influenciados pelo uso da tecnologia e pelas práticas de gestão. A economia japonesa sofreu uma revolução nas últimas décadas pelo uso sistematizado das práticas oriundas dos programas de qualidade total. A economia americana nos anos mais recentes teve forte crescimento lastreado na melhoria de produtividade trazida com o uso inteligente da tecnologia.

O USO DA TECNOLOGIA

A tecnologia tem possibilitado o aumento da produtividade individual dos trabalhadores e a conseqüente produtividade corporativa. Interligando-se através de sistemas integrados o fornecedor do seu fornecedor ao cliente do seu cliente, obtém-se ganhos de escala antes não imaginados. Os sistemas melhoraram os controles internos, reduzindo custos e dando velocidade à operação do negócio. Ferramentas especialistas têm agilizado o tempo de lançamento de um novo produto no mercado, o uso de softwares de colaboração e da gestão do conhecimento tem criado condições para manter estimulado nas empresas o espírito de inovação capaz de capturar o enorme potencial das suas mentes criativas. A automatização de processos na indústria tem trazido uma operação com mais produtividade, disponibilidade e performance, garantindo produto nas especificações certas, no prazo e no custo esperado pelos clientes.

Apesar da enorme evolução tecnológica ocorrida nos últimos 30 anos, ainda estamos vivendo a idade da pedra lascada. Muito está por chegar, em uma velocidade e diversidade maior ainda que transformará a relação entre as pessoas e os negócios.

O mundo dos negócios se aproveitará mais e mais da conectividade entre as empresas, pessoas e os equipamentos. Na medida que forem se tornando mais acessíveis para grande parte da população e mais seguros para se fazer negócios, os equipamentos que hoje conhecemos como o telefone celular, televisão e o computador conectado na Internet serão cada vez mais fortes portais de entrada para o mundo fazer negócios. O valor do intermediário na cadeia de fornecimento continuará sofrendo transformação. O software estará cada vez melhor preparado para fazer jus à capacidade das mentes brilhantes da nova geração de trabalhadores que está chegando ao mercado e também suficientemente sensíveis para automatizar aquilo que pode ser repetitivo.

AS PRÁTICAS DE GESTÃO

Muitos executivos mostram sua insatisfação com o retorno dos investimentos realizados em informática. A informática é um processo do negócio que custa caro e deve ser tratado com o mesmo rigor que os demais processos de negócio. O emprego sistemático de ferramentas que auxiliam a operação do negócio traz o melhor retorno para o capital investido em tecnologia.

O uso da análise de valor decompondo as funcionalidades dos produtos de informática e avaliando-as à luz dos requisitos do negócio, evitará investimentos em lugares não prioritários.
A prática sistematizada da análise de causa e soluções de problemas identificará a subutilização de investimentos já realizados em informática.
O gerenciamento eficaz da rotina, permitirá eliminar, simplificar, integrar e automatizar tarefas e colocará os sistemas em sintonia com o melhor processo de trabalho possível.

Como é fácil cair nas armadilhas ofertadas pelo modismo e pela riqueza deste mundo maravilhoso, o desafio do empresário é avaliar e decidir dentre as tecnologias disponíveis, aquelas que irão inovar e agregar o valor necessário ao seu negócio. O equilíbrio entre o entendimento do negócio, a visão de tecnologia e a experiência de profissionais em práticas de gestão conduzirão as decisões para as melhores escolhas.

O empresário deve avaliar se a sua empresa está atenta e conectada a este futuro. Se não estiver, deve pensar de forma prioritária em como fazê-lo, seja pelas próprias mãos ou com o correto assessoramento do mercado.

Autor: Gilmar Ragonetti, economista, MBA, especialização em tecnologia da informação e PMP
Empresa: IBC – Instituto Brasileiro para a Competitividade